Tudo na mesma

Cinco minutos pra escrever, pois tenho que buscar a Pri na Cultura Inglesa - leia em velocidade frenética pois vou escrever sem parar e sem corrigir.


Tá tudo na mesma, e isso é ruim. Fiz o concurso da Caixa, passei, fiz a entrevista e ainda não fui chamado. Beleza, tudo bem se chamaram o grandão do noturno - ele tinha mais a cara da Caixa mesmo. Agora estou aqui esperando pela segunda vaga, se é que ele pegou a primeira vez (são apenas boatos).

O importante é manter o não desejo. Teoria do Osho, pensador indiano. Já ouviu falar? No porta-malas do meu carro tem um livro chamado "Antes Que Você Morra", dele. Preciso terminar de ler antes que eu morra. Ou como coloca o Osho, preciso morrer antes de morrer. Pare e pense um pouco nessa frase: você tem que morrer antes de morrer. Não é tão simples quanto parece...é um grande questionamento filosófico.

Passei o final de semana engordando, comendo carne e tomando cerveja lá no rancho. Perdi o show do Júpiter Macã em Maringá. É, estou um alienado mesmo. Mas fazer o que? Queria mesmo ter dinheiro a vontade pra viver da arte e ficar indo em shows, espetáculos, viajando pra lá e pra cá - diz se isso não é vida?

Mas não, estou aqui. Estudando, estudando. Pelo menos eu não assisto TV - isso é um upgrade na minha vida. Pelo menos não assisto TV...

Passei a tarde traduzindo um artigo duns acadêmicos duma universidade qualquer americana. Analisando o uso do precedente em sistemas de civil law e common law. Não vou comecar esse papo aqui, porque já vi que esse assunto espanta até cachorro. Quando eu comeco a falar sobre isso até a Lola vai pra casinha.

E aí, como fica? Sei lá.

O pai passou no concurso do Instituto Tecnológico do Paraná. Mas fica meio baixo, estamos esperando a publicacão no diário oficial. Foi uma grande alegria nesse final de semana. O velho merecia passar, ainda mais em primeiro. Faturou a vaga. Dá-lhe papai. Agora o velhote vai mudar pra Curitiba e eu oficialmente vou morar aqui no quarto da Pri, no edifício Costa Azul. É esse o nome? Me deu branco agora. Aquele do cemitério.

A vida está mudando em passos largos, o tempo está passando e eu fico aqui, tentando digerir essas informacoes e jogar num universo virtual - codificacoes binárias num universo quase inexistente, mas tão presente. Faz algum sentido?

DING-DONG. Tocou o sino, meu tempo acabou.

Boa noite, quem sabe eu volto - depois de um suco de maracujá ou um chá pra escrever mais calmo.

Nenhum comentário:

Mais lidos no mês

Mailing E-mancipação