Cry Freedom

Era pra ser somente um domingo de descanso, daqueles vividos sem nenhum acréscimo de cultura. Acordei 13h30min, levei um café na cama pra Pri, depois do café, encontrei meu pai aqui em casa, fizemos um almoço, comemos às 15h30min e depois do almoço ele disse: -Vamos ver um filme. Não tava muito afim, mas topei.

Um Grito de Liberdade (Cry Freedom, 1987) era o filme. E eu nunca tinha ouvido falar. Não sei porque. Realmente não sei como eu nunca tinha ouvido falar deste filme. Depois de o assistir você se sente um otário de nunca ter ouvido falar dum filme tão intenso que conta uma história real, ocorrida em 1977 na África do Sul, no ápice do apartheid.

O filme é lindo. Conta com ousadia, pois foi filmado em pleno regime de Apartheid em 1987 na África, a história de dois homens. A do ativista político local Steve Biko e do jornalista Donald Woods. Donald Woods era um típico branco-liberal-sul-africano. Um daqueles que viviam e aceitavam o apartheid sem nenhum incômodo. Woods começou a escrever textos sobre Biko em seu jornal, o colocando como racista. Como um ativista que incitava o ódio aos brancos. E uma médica negra, entra em seu jornal e numa discussão sugere um encontro entre Woods e Biko, para que ele entendesse como Biko era de verdade.

Ele topa e vê como Steve Biko é. Um líder nato, de palavras articuladas e um senso de humanidade e justiça sem igual. Biko leva Woods a vários bairros negros segregados, para que Woods entendesse a problemática e desigualdade ilógica do apartheid. Após certa resistência, Woods compreende. Seu coração é tomado de compaixão e ele constróe uma relação de amizade e luta com Biko.

Steve, que já era banido pelo governo sul-africano, o que significava que ele não podia sair de certo bairro e não podia ter um encontro com mais de uma pessoa ao mesmo tempo, continuava discursando para milhares de negros, comovendo a todos e incitando um confronto sem violência ao apartheid do governo branco. Quando Biko tentou ir para Soweto conversar com os jovens do movimento estudantil que não aceitavam a imposição da língua africânder nas escolas, foi preso por infringir o banimento.

Steve foi torturado. O surraram tanto que ele teve uma lesão cerebral gravíssima. Os policiais sul-africanos, ao invés de o levarem ao hospital mais próximo, o levaram a um hospital-policial que ficava a mais de mil quilômetros de distância. Steve Biko logicamente morreu no caminho.

Quando Woods ficou sabendo pela mídia inglesa que Biko tinha feito "greve de fome" até morrer, bravamente usou de todos os artifícios para provar que aquilo era uma mentira. Tirou fotos do corpo de Biko, para provar a tortura. Mas Woods se tornou alvo do governo sul-africano. Foi banido por motivos de Segurança Nacional. Banido, escreveu o livro Cry Freedom e iniciou uma longa fuga para publicar o livro fora da África.

A história é real. E se não fosse o livro e depois o filme, o mundo ocidental nem teria conhecimento de tais fatos. Só pra constar: Denzel Washington, no início da carreira, arrepia no filme.

É uma história que te deixa incomodado. Te deixa puto. Puto de saber que algo tão ilógico e tão escroto aconteceu. CARA! Você já parou pra pensar que absurdo é isso? APARTHEID? É ridículo. Enoja! Enoja saber que existe um Apartheid implícito muito presente. A diferença é que na África do Sul era constitucional. E o apartheid que existe em todo o mundo? Em cada mente preconceituosa? Dá vergonha do ser humano.

Dá vergonha também se sentir um ignorante pois desconhecia essa história. E a escola? Pra que serve? PORQUE DIABOS NÃO TEMOS HISTÓRIA DA ÁFRICA DE VERDADE? Porque só aprendemos a merda da colonização européia!? Porque ocultam as revoltas? Porque eliminam os líderes sociais? Porque a caneta azul que escreve o livro de história é segurada pela mão corrompida desse sistema econômico-social.

Não dá pra não ficar irritado. Não tem como assistir um filme desses e encarar como entretenimento hollywoodiano. Merece, no mínimo, uma reflexão.

Bom..dando uma pesquisada sobre Steve Biko, descobri que um ano depois, Peter Gabriel escreveu uma linda canção, "Biko".

O youtube é ótimo, pois é feito por pessoas comuns. Pessoas que gravaram shows, que gravaram matérias alternativas e depois digitalizaram as mesmas e as disponibilizaram no site. No youtube achei uma versão de "Biko" tocada no Tribuno ao Nelson Mandela em 1988, dois anos antes do fim do regime político-social.

Segue o vídeo e a letra da música.


"September '77, Port Elizabeth waeather fine
It was business as usual in police room 619
Oh Biko, Biko, because Biko
Oh Biko, Biko, because Biko
Hiromija, Hiromija!
The man is dead, the man is dead.
When I try to sleep at night I can only dream in red
The outside world is black and white with only one colour dead
Oh Biko, Biko, because Biko
Oh Biko, Biko, because Biko
Hiromija, Hiromija!
The man is dead, the man is dead
You can blow out a candle but you can't blow out a fire
Once the flames begin to catch the wind will blow higher
Oh Biko, Biko, because Biko
Oh Biko, Biko, because Biko
The man is dead, the man is dead
And the eyes of the world are watching you now
They're watching you now."

Tesão, né? Eu nunca tinha ouvido essa música. Pra falar a verdade, só conhecia "Mercy Street" do Peter Gabriel. Esse show aí deve ter sido excelente também, deu pra ver que o Peter sobe ao palco com o pessoal do Simple Minds (a banda que toca a música). Os irlandeses do Simple Minds também são músicos com letras políticas e sociais fortes. "Mandela's Day" e "Belfast Child" são ótimas músicas. Ótimas mesmo. Mas ficam muito de lado perante as pops "Don't you forget about Me" e "Alive and Kicking". Todo mundo deve conhecer as duas últimas e nunca ter ouvido falar das duas primeiras. HAHAHAHA. Fazer o que, né? O mundo pop é assim. É CRUEL!

Vou deixar um link dum texto escrito por um jornalista da UFSC sobre o filme. Vale a pena.

E também um documentário em 3 partes sobre Steve Biko. É bom pra treinar o inglês também. But it is easy to understand..so, relax, just watch it.



"In time, we shall be in a position to bestow on South Africa the greatest possible gift - a more human face" Steve Biko
Boa semana.

3 comentários:

césar |. miguel disse...

Não adianta...
A letra é boa e tudo, mas não consigo gostar dos anos 80.

Anônimo disse...

realmente muito bom esse filme, e a música de peter gabriel também :D

Anônimo disse...

bom comeco

Mais lidos no mês

Mailing E-mancipação