O Jardim dos Caminhos que se Bifurcam

Os últimos dias trouxeram grandes mudanças na rotina da "férias do porco", recesso acadêmico até o dia 10 agosto devido ao possível foco de gripe A.

Sexta-feira passada recebi uma ligação do Raoni, que faz filosofia na UEM e é namorado da Vane (ambos, grandes amigos - principalmente de noitadas com vinhos), para irmos na sua casa nova, perto do Colégio Nobel. Uma casinha muito massa. Uma boa república. Liguei pra alguns amigos (Bruno, Rannah, Rocha, Lari), repassando o convite para conhecermos a nova república do Raoni.

Após a chegada de todo mundo, compramos cerveja e tocamos clássicos no violão. Ficamos lá curtindo mais uma noite normal de festa. Uma hora o Rocha me puxou num canto, e me disse que estava precisando de um estagiário de quarto no escritório do advogado Wilson Quinteiro, local onde ele trabalha. Demonstrei certa empolgação para preencher o cargo, mas na verdade estava bem indeciso sobre o que fazer em relação ao estágio, afinal eu ainda estou esperando a ligação da Caixa Econômica Federal e do Juizado Especial Cível. O Rocha gastou dezenas de minutos me explicando as vantagens de um estágio na Advocacia, área que eu tenho grande admiração e nenhuma experiência.

Meia-noite fomos embora, eu e Pri. Sábado, na outra manhã, dei minha aula inaugural pro Speak Out lá no minha escola de inglês, a Yes. A noite, não saímos. Ficamos vendo a segunda temporada de Dexter.

No domingão, passei o dia relaxado. A noite, fui pro Teatro Marista panfletar o material de propaganda da Yes, que patrocinou a comédia de Stand-Up do Oscar Filho, do CQC. Me reservaram um local lá na frente. Entrei de graça, não poderia ser melhor. Fiquei meia-hora assistindo, dei boas risadas e fui embora. Creio que fui o primeiro a deixar a comédia - e não porque estava ruim, mas porque tinha prometido jantar com a Pri em casa naquele preciso horário.

Na segunda-feira de manhã resolvi ir até o escritório, deixar meu currículo e conversar com o Dr. Quinteiro. Manhã de atitude. Coloquei minha roupa social mais descente (uma que eu sempre repito), fui até a CopyFer, imprimi meu currículo e me dirigi até o escritório. Eu devo ser o único estudante de Direito que coloca no currículo que foi Barman em Londres. Mas acho que isso demonstra minha versatilidade. E que sei fazer bons drinks. Se eu fosse o contratante, acharia boa coisa.

Resumo da ópera: cheguei, fiz a entrevista, fui dispensado e recebi uma ligação depois de 2 minutos de ter saído do escritório para que retornasse. Iria começar. E nas primeiras três horas de serviço já me deparei com quatro processos. Pede revelia nesse, citação por edital nesse, visto aos autos nesse outro e extinção sem julgamento do mérito neste aqui. Wow! Foi tenso.

Mas eu me virei. Hoje de manhã voltei lá, das 08h30min as 11h30min. Almocei em casa e voltei para o escritório. Prometi que poderia ajudar nessa semana no período da manhã.

Está sendo uma grande loucura, mas parece que boas coisas virão.

E ah! Detalhe maior: o Rocha é meu superior. Sou o estagiário do baterista da minha banda, dá pra acreditar? Ontem eu o acompanhei em duas audiências de conciliação. Um acordo foi fechado. Dá-lhe Rochera!

É a vida.

2 comentários:

menino tenso disse...

que orgulho de você, vai longe meu filho. brilha! brilha muito que o filho é teu. (?)
então... aehaehhae já coloquei um link novo lá, baixa e me fala o que achou. e a nossa jam? take care, mate!

Bruno Rocha disse...

É benino!
Vai ter que se virar por lá agora!
Mas vc vai tirar de letra!
Logo logo vc pega o ritmo da parada..
E dá-lhe happy hour no espetinho!
huauhauhauhauh

Mais lidos no mês

Mailing E-mancipação