BRASIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIL

OPA!!!


De volta ao Brasil! O que posso dizer? Foram dias tão tensos os três últimos em Londres, despedidas emocionantes, 12 horas num avião cruzando o oceano, conexões perdidas em São Paulo e reencontros.

A primeira pessoa que reencontramos foi o Cesão, meu sogro (e obviamente pai da Pri e do Vini). Nem preciso dizer sobre a emocão que foi, não? Ficamos tão emocionados que pagamos 6,50 num copinho de chopp pra comemorarmos.

Depois, em Curitiba, reencontramos minha mãe, Antonio, Verônica (minha sogra), o Renan (meu irmão que não via há muito tempo), e um "ataque-surpresa" dos meninos: Michel (que não via desde a sua despedida pra Oregon-USA em novembro de 2007), Pedrão, Braga (vai, Draga!) e o Bandido. Putz, que massa. Que cena bacana todo mundo lá!

A Pri desceu comigo pro litoral depois de um tempo vendo pra onde iríamos (o plano inicial era ficar em Curitiba, mas com todo mundo lá querendo ir pra praia foi complicado seguir o planejado).

Enfim, logo depois de chegar na casa da minha mãe (apenas 10 minutos em casa) chegaram o Bruninho e a Rannah! Loucura! De noite rolou uma cervejada violenta e a casa da minha mãe mais parecia a República Frank The Tank com várias caixas de cerveja e rituais de Fogo Paulista rolando toda hora.

Sábado passamos o dia morgados, rolando uma festinha depois numa república da UFPR-Litoral. Domingo o dia foi tranquilo com caminhadas na praia, chuva e filminho a noite somente com a mãe, Antonio, Renan, Leli e Braga.

Segunda de manhã subi aqui pra Curitiba com a Pri de carona com a Leli e estamos dormindo na casa da Verônica, que está em obras. Ontem rolou um churrasco improvisado aqui com boa parte da família Borba e com a presenca ilustre do meu pai, Odacir, que veio de Maringá.

Hoje saí pra almocar com meu pai. A Pri, o Vini e o Rodrigo (primo Borba) foram junto. Logo em seguida meu pai rumou sentido Santa Catarina. Vai ficar uns dias de férias lá em Floripa.

A gente acabou de chegar, mas já rolou muita coisa. Muitas sensacões, risadas, reflexões. E ainda tem um longo caminho pela frente, muitas pessoas especiais pra reencontrarmos, muitos pepinos pra resolvermos e muito calor pra passar (vai se ferrar esse calor! Tinha esquecido como era quente aqui)!

É isso aí! Eu sei que esse post não entra em detalhes, mas é que tem rolado muita coisa e eu tenho tanta coisa pra falar que acabo não falando nada.

"EU TE AMO, MEU BRASIL!" - Dedé Carvoeiro, o maior santo brasileiro.

Nenhum comentário:

Mais lidos no mês

Mailing E-mancipação