Tim Festival 2007

TIM FESTIVAL. Um dos maiores eventos do rock no Brasil. Peraí..pensando bem, É O MAIOR. Não tem pro Tim Festival, já que o rock in RIO foi parar em LISBOA. ¬¬


Eu, apesar de nunca ter ido, pago muito pau pra esse festival.


A edição de 2005, na minha opinião, foi a que destruiu! Arcade Fire, Kings of Leon e The Strokes. Juntos, num show. (!) Qual a possibilidade de isso acontecer de novo?


Nunca mais.


Agora, é melhor pensar no presente e no futuro, do que ficar chorando as pitangas por não ter ido ao Tim Festival de 2005. .portanto, já vou me preparando pra esse Tim Festival 2007, que já tem na lista três nomes fortes:

1. Arctic Monkeys
2. The Killers
3. Björk


CARA! Arctic Monkeys deve ser um show muito massa. Rock n Roll britânico alternativo de qualidade. Entretanto, eu não os considerei "A SALVAÇÃO DO ROCK", como a mídia mundial sugeriu no começo do ano passado. Lembro bem que em 2006 devem ter surgido umas 4 salvações do rock. Que diabos de salvação é essa que muda a cada 3 meses? Essa geração é muito frenética. A cada bimestre elegem a nova melhor banda do mundo. Puta eleição escrota e vazia essa. Saudosos são os tempos onde uma banda era a melhor por uma década, pelo menos, tipo o U2 de 1984 até 1994. Ou os Beatles desde sempre. Covardia comparar a fama do Arctic Monkeys com a do U2 ou com a dos Beatles, eu sei. Também não estou aqui pra avacalhar o Arctic Monkeys. Os meninos tocam bem e fazem um rock animado.



The Killers é uma banda que me assustou no começo pelo sucesso que fizeram. E banda alternativa americana que já estoura na Inglaterra por meses e meses é de se desconfiar. Muita produção e falação pra pouco som. É uma banda "bacana". Mas não passa disso.






Agora BJÖRK! Cara, ela é o mistério da música moderna. Islandesa, baixinha, dona de uma voz única. Além disso, bate em reporter atoa, curte carnaval no Rio e atua em filmes, como Dançando no Escuro. Eu não consigo nem imaginar "Humam Behavior" ao vivo em Sampa. Deve arrepiar até os cabelos do dedão. E a agitação de "It's Oh So Quiet"? RÁ! Aquele pegada de jazz, misturada com os musicais americanos da década de 50 e 60. Enfim, coisa fina. Björk é uma das cantoras mais sem rótulos que eu conheço.
Você sabe definir o som dela? Se souber, posta aí, porque eu particularmente não consigo.



Agora é só esperar o início da venda dos ingressos, fazer um pé-de-meia e partir pra Sampa curtir o festival. VAMO AÍ?

Nenhum comentário:

Mais lidos no mês

Mailing E-mancipação