Rafael Castro, conhece?

Já ouviu falar de Lençóis Paulista, no interior de São Paulo? Não? Não se sinta culpado. É uma cidadezinha pacata, sem maiores atrativos, que pouca gente conhece. Eu só conheço porque tenho tios lá (aliás, um abraço, tio Vande!).

Na última vez que estive por lá, em Maio desse ano, liguei para um músico que tornou a cidade um pouco mais conhecida Brasil afora em razão de sua autêntica música setentista. Falei com Rafael Castro, um magrelo de voz grave, cheio de criatividade musical.


O cara é um dos músicos que mais produziu nos últimos anos no rock independente brasileiro. Nos últimos três anos (2007-2010), Rafael Castro & Os Monumentais lançou oito discos, sendo que todos eles você pode baixar gratuitamente no site Rock n' Beats - o meu disco preferido, por sinal, é "Estatuto do Tabagista", de 2009.

Quando falei com Castro em sua cidade, combinamos de nos encontrar numa feira que estava rolando por lá, tipo uma Expoingá de Lençóis Paulista, na qual iria tocar Chitaozinho & Xororó (bizarro, não?). Quando estava lá, ele ligou cancelando nossa cervejinha, pois iria divulgar alguns shows que iria fazer pela internet. Eu entendi e falei pra ele não se preocupar. Vida de músico independente é assim: tem que compor, tocar, divulgar pela internet e negociar com donos de bar. Não é fácil.

E Rafael Castro se encaixa bem nesse perfil. É um músico que, se precisar, toca todos os instrumentos. As gravações são feitas no seu estúdio em Lençóis, sem intervenção de produtor ou coisa do tipo. O resultado é um rock brasileiro cru, com fortes referências aos anos sessenta e setenta.

Esse ano, o clipe de "Apagada a Luz" estreou na MTV. A música mostra um Castro mais romântico, mas sempre com a pegada "canalha" que lhe é tão própria:



Hoje, Rafael Castro divulgou os vídeos dos ensaios nos estúdios do Trama Virtual, tocando três músicas. Destaque para "Porque eu Bebi", última faixa do disco Maldito (2008), o qual, "joga o ouvinte de um lado para o outro, o enfiando entre boleros, hardrocks, sambas e canções de ninar, trazendo à vida inúmeros personagens que têm, por ligação, a necessidade de uma cautelosa observação psiquiátrica".

Tomando por base a crescente qualidade e quantidade das gravações de Rafael Castro & Os Monumentais, já posso arriscar que a banda é uma das promessas para os próximos anos.

Se você nunca ouviu, sugiro começar ouvindo algumas das canções abaixo. Vale a pena. "Me chama pra Dançar" é Jovem Guarda pós-moderno! É só curtir e ser feliz!


Quantcast

Nenhum comentário:

Mais lidos no mês

Mailing E-mancipação