Bertold Brecht


Há 114 anos nascia esse fantástico poeta alemão. Evito comentar sua vida, pois como sugere Hannah Arendt, "falar sobre poetas é uma tarefa incômoda; os poetas são para se citar, não para se falar".

Ignorem a superestimação absurda do aparato clandestino do Partido Comunista e considerem a grande inteligência poética de um homem em tempos sombrios ("uma inteligência penetrante, não teórica, não contemplativa, que ia ao centro do assunto, silencioso e relutante em se revelar, distante e provavelmente também tímido, de qualquer forma não muito interessado em si mesmo, mas incrivelmente curioso", como escreveu Arendt). Particularmente, acho esses breves versos geniais:

Do rio que tudo arrasta
Se diz que é violento
Mas ninguém diz violentas
As margens que o comprimem


Uma pequena seleção de textos de Brecht está disponível aqui.

Nenhum comentário:

Mais lidos no mês

Mailing E-mancipação