Españistan

Há dois meses, tive uma conversa muito instigante com a espanhola Anuska Roig (uma amiga que conheci há cinco anos quando fui seu "anfitrião" num programa de intercâmbio entre a Universidade Estadual de Maringá e a Universidade de Alicante) sobre a crise econômica na Espanha e os novos movimentos sociais como o Democracia Real Ya e o 15-M. Nesse breve bate-papo sobre o precário cenário espanhol, ela me alertou que a crise - responsável por escancarar as debilidades estruturais da economia neoliberal e o boom da construção civil - teria como (perigosa) consequência imediata a ascensão da direita do poder, algo que se concretizou com a vitória do Partido Populista nas eleições de fim de maio (marcada por um altíssimo número de abstenção).

A situação na Espanha é de extrema tensão social. O número de desempregados chegou este ano a 21% da população, justamente durante o governo do auto-intitulado socialista José Luis Zapatero, que tinha como meta de gestão o "pleno emprego". Os espanhóis estão indignados

Como isso tudo aconteceu? Difícil explicar. Fala-se muito da crise, mas não dos motivos dela.

Essa amiga espanhola publicou (ou melhor, compartilhou no Facebook) hoje um polêmico vídeo (Españistan) que me ajudou a entender quais ações políticas e econômicas geraram o completo caos estrutural na Espanha. Acho que vale a pena reproduzi-lo aqui. Trata-se de uma ácida e inteligente animação feita por Aleix Saló que satiriza o sonho neoliberal espanhol e dá um bom panorama de "como o país foi à merda".

A frase de Anuska ao publicar o fantástico vídeo (provavelmente fazendo referência à nossa conversa ou de outro brasileiro perplexo com a situação espanhola) faz a introdução ideal: "El otro dia me preguntaba un amigo de Brasil porqué España era uno de los países que peor estaban en Europa... porqué esto ha sido así!"

Nenhum comentário:

Mais lidos no mês

Mailing E-mancipação