Os resultados do ácido e idiossincrático texto sobre o direito e o ensino jurídico

O texto publicado no dia primeiro de Junho, entitulado A inversão de valores e a ausência de pensamento crítico no curso de Direito, foi o que teve os mais extensos e interessantes comentários na história do blog, não só por colegas de curso, mas por outras pessoas, como o próprio Tomás (do blog de música T.RECS), que estabeleceu um diálogo riquíssimo com o que foi escrito, e Julio César Marcellino Jr, da Univali, comentando a partir dum contexto mais abrangente.

O texto é polêmico, pois trata de vários assuntos. Já começa sensacionalista: a graduação em Direito é o intermediário entre dois cursinhos, e ainda questiona uma possível inversão de valores dos alunos, critica o tecnicismo da educação bancária (expressão de Freire), questiona a efetividade dos estágios extracurriculares, aponta para a limitação das atividades fora de sala de aula (festas, cervejas e jogos jurídicos) e pondera sobre a ausência do pensamento crítico como um dos fatores de construção do cenário atual.

É reflexivo e provocador. A intenção foi essa.

E o resultado foi intenso.

Recebi diversas críticas interessantes. Por exemplo, a Raquel Sitotti, complementando o comentário de Samuel Hubler ("Os jogos são lazer, integração universitária, momento de descontração, palco de momentos inesquecíveis na vida de inúmeros estudantes; podem obliterar outras questões, relegá-las a segundo plano, mas apenas momentaneamente, não são causa dos problemas abordados na postagem"), escreveu: "Dizer que não há mobilização e discussão no ambiente acadêmico do curso de direito da UEM me parece radical e maniqueísta. Há sim discussão no curso e alunos extremamente esclarecidos em relaçao a tais problemas,só que tais discussoes nao são institucionalizadas em grupos de pesquisa por exemplo, talvez por isso não sejam tão conhecidas, e muitas vezes me questiono se a institucionalização seria o melhor caminho (mais uma das decepções com o curso). Outra crítica que tenho a fazer é em relaçao ao tom, a meu ver, pejorativo ultilizado para falar de cervejadas e jogos. É importante não cair em esteriotipos para ter um diferencial, nem que o esteriotipo seja do intelectual engajado. Não há problema algum em frequentar cervejadas ou estar ansioso para os jogos, o unico problema é fazer disso seu alimento diario, seu motor".

José Renato Guarnieri, ex-colega (antes de eu trancar o curso) e hoje advogado, também teceu algumas críticas, questionando a necessidade do pensamento crítico frente ao mercado: "Na verdade, o seu texto me remeteu a um velho senso comum tendente a vender a ideia de que o estudante de direito tem a obrigação de "salvar" o mundo numa exacerbada concepção de que sua capacidade de reflexão acerca dos problemas sociais estaria acima da análise crítica feita por qualquer outra categoria de estudante universitário. Hoje, como advogado, me pergunto: Que mal existe na opção de se fazer um curso de direito como meio para se obter uma profissão como outra qualquer? Há mesmo a necessidade de que todos sejam obrigados a divagar sobre as infindáveis e abstratas ideologias que cercam as concepções de justiça? Há tal necessidade, mesmo ante a constatação de que o período pós faculdade inevitavelmente se resumirá, para a esmagadora maioria dos outrora estudantes, a uma rotina que visará a busca de sustento proprio e familiar?!"

Além das indagações e críticas acima citadas, outros colegas, como a Michelle Alves e o Lucas Pepito fizeram comentários muito bacanas, e em direções opostas.

A intenção, de fato, não é impor minha reflexão como verdade. Foram apenas apontamentos, questionamentos e uma tentativa de desconstrução do cenário para, aí sim, encontrar os elementos constitutivos.

O que me chamou atenção, e que tornou esse exercício mais interessante, foram as diferentes interpretações a partir de cada sujeito-leitor. As respostas, outrossim, estão perfeitamente de acordo com o nível de inserção em cada área criticada. Por exemplo, Samuel Hubler e Raquel Sirotti trataram muito da questão dos jogos e da radicalização do meu discurso. José Renato tratou da desnecessidade de imposição da crítica frente a opção do acadêmico pela simples atuação profissional nos padrões atuais. Michelle escreveu sobre a "iluminação" pela religião, enquanto que Lucas tratou da formação antes mesmo do ingresso no curso. Tomás esclareceu sua visão gramsciana sobre elevação cultural como mudança social e luta hegemônica.

O que quero dizer é que, como conheço meus queridos (e são queridos mesmo, não estou sendo irônico) comentaristas, consigo visualizar essa intervenção dentro de um contexto subjetivo de perspectiva. Ou seja, alguns comentários trataram mais dos jogos jurídicos, justamente em razão dos próprios sujeitos estarem inseridos neste contexto acadêmico-esportivo. Outros, questionaram a efetivadade de minhas críticas a partir da perspectiva profissional jurídica, justamente em razão dos sujeitos estarem inseridos na advocacia e na prática diária.

Enfim, só quero apontar para o fenômeno das diferentes interpretações (verdade idiossincrasia) a partir dos diferentes contextos subjetivos de perspectiva, o que é demonstrado pela ciência da Semiótica. Existem signos variáveis para cada leitor. Esse é o bacana de escrever um texto polêmico.

Por fim, devo registrar o comentário de Julio Marcellino Junior, que escreveu uma obra muito bacana (MARCELLINO JUNIOR, Julio C. Princípio constitucional da eficiência administrativa: (des)encontros entre Economia e Direito. Florianópolis: Habitus, 2009) que eu utilizo em minha monografia (veja só, que conexão bacana!): "É...meu caro...concordo contigo. O grande problema é o contexto contemporâneo em que o sistema de ensino está inserido. O modelo atual, que nos coopta mais e mais, por diferentes meios e estratégias, é o de prevalência do econômico, calcado no código eficientista. Isto é, prevalecem o pragmatismo vazio, a marca epistêmica dos meios, relegando o 'pensar' a segundo plano. O futuro se tornou no-sense e alargou-se ao infinito o presente. O que importa, neste paranóico modelo, é gozar à exaustão...tudo o que se pode e o que não se pode. Enfim, nega-se a possibilidade de consensos, pois desconsidera-se a possibildades consensos, de fins. A situação é séria, pois o sistema de ensino tem se rendido a esta lógica lamentavelmente...inclusive a rede pública em alguns setores. Cabe-nos, pois, resistir...como pudermos...a sorte, mais uma vez, está lançada."

Com tantos bons comentários, eu só tenho a agradecer a todos que participaram desse pequeno debate.

Um comentário:

prisci disse...

Legal, Rafa.

Eu fiquei bem satisfeita quanto à participação do pessoal. Discutimos bastante pessoalmente o texto e cada um dos comentários, por isso não vou prolongar nada aqui, exceto por um ponto.

Achei de incrível particularidade as reações quanto ao seu comentário em relação às festas, cervejadas e jogos jurídicos, que dizia:

"Com esta falsa noção do que representa o curso de Direito, as atividades fora da sala de aula resumem-se simplesmente em jogos jurídicos, 'cervejadas' e festinhas de arrecadação de dinheiro para formatura"

A interpretação dessa única menção no seu texto foi muito além do que deveria ter ido. Fica muito claro que o que foi proposto ali é que muitos estudantes de Direito ao saírem do espaço físico da Universidade deixam lá seus livros, reflexões, enfim, esforços no sentido de exercitar a evolução do pensamento crítico (que é o assunto que está em questão aqui) e lembram-se somente dessas festividades. E, como comentei pessoalmente, isso não é uma particularidade do Direito, mas sim uma questão geral da nossa e de diversas (pra não dizer todas) Universidades. A questão da deficiência na evolução do pensamento crítico do estudante, que deveria ser foco principal na graduação é, sim, um problema sério, como todos concordaram, no ensino superior. E um dos motivos é, sem dúvida alguma, a importância exagerada que se dão a essas festividades sendo que não é aplicada tal importância às questões acadêmicas. Pessoalmente, fica muito claro que em nenhum momento você colocou o lazer acadêmico como prejudicial e sem importância para a vida dos estudantes. Prejudicial, no que aponta o seu texto muito claramente, é a atenção dada SOMENTE à essas questões, o que faz do curso de Direito, para muitos (de novo, não todos) um curso entre dois cursinhos.

Era isso. Uma coisa que eu precisava comentar.

Beijos, parabéns pela qualidade do blog.

Mais lidos no mês

Mailing E-mancipação