Final de semana (do rock)

O final de semana foi agitado em Maringá no quesito rock autoral. Teve Nanan e Daniel Belleza no Fernandes Bar na quinta-feira; Hospital Doors, Nanan e Prof. Astromar no Pub Fiction na sexta-feira; Eco Estático no Dionísio, Salamanders no Trip Music e Bad Motors, Os Bandidos Molhados e Zé Ferreira no Tribo's no sábado.

Diversidade o suficiente na Cidade Canção.

E eu peço desculpas aos amigos dos Bandidos Molhados e do Zé Ferreira (talvez as duas bandas que mais aprecio em Maringá) por não ter ido ao show ontem a noite, mas é que de sexta para sábado fui dormir as 07 horas da manhã em razão do atrasado show que rolou na noite anterior no Pub Fiction com o Nanan. Ainda por cima, passei a tarde toda no Estúdio DIPBR acompanhando as gravações do Renan no violão, sem encostar nos textos e na minha monografia. Como eu sabia que não iria dormir cedo, tampouco ficar sóbrio na noite de sábado caso fosse ao show, optei por simplesmente comer um frango xadrez com a Pri e com Nanan e dormir antes da meia-noite, acordando hoje as 09h da manhã para estudar. Portanto, pelo desculpas.

Quanto ao show de quinta-feira, não sei ao certo o que dizer. Fizemos um set muito bacana de uns quarenta minutos e liberamos o palco para o Daniel Belleza, que iria fazer um show acústico. Do nada, fui convocado pra tocar o baixo pelo próprio Belleza, que também escalou o Camarão (Família Palim) para tocar bateria.

Iniciamos sem saber o que fazer, tocando "Devil's Haircut" do Beck. Depois, Belleza tocou uma variedade imensa de músicas próprias e covers, indo desde Iggy Pop até Roberto Carlos, o que causou estranheza à parte do público local.

Foi uma apresentação drasticamente idiossincrática! Enquanto uns adoraram o estilo desleixado e o set democrático de Daniel Belleza, outras pessoas odiaram e o classificaram como tosco e bizarro e deixaram o Fernandes Bar.

De qualquer forma, devo dizer que foi uma experiência muito bacana ter tocado lá com ele no improviso. E "Freedom" do George Michael foi uma pérola!

O bacana é que ele não sabia o que ia tocar, daí se virava para mim e perguntava: - O que vai ser? - Sei lá, toca um Ramones. - I Wanna Be Sedated, versão bossa-nova, vamo lá.

E o Camarão ia dançando na bateria conforme a valsa!

Bom, com relação ao show de sexta (com Hospital Doors, Prof. Astromar & Os Caçadores de Lobisomen e discotecagem de Haveck, do N.O.V.A.), devo dizer que fiquei impressionado com o número de pessoas presentes. E não que me surpreendi porque tinha muita gente. Não. Justamente o contrário: raras vezes vi um PubFiction tão vazio e acho que posso elencar alguns motivos (e não vou entrar no mérito, vou apenas citar algumas hipóteses).

#1. O PubFiction está queimado.
#2. É final de mês e R$ 8,00 pra ver três bandas autorais não é atrativo.
#3. Divulgação apenas virtual, sem flyers.

Em razão do número escasso de pessoas lá presentes e dos problemas para estruturar o palco (pois o dono da casa quis cobrar aluguel dos amplificadores e peças da bateria, o que levou aos caras do Hospital Doors a trazerem os próprios equipamentos depois de meia-noite), a primeira banda (Prof. Astromar) começou a tocar apenas 01h20 da manhã.

Depois, subiu ao palco o Hospital Doors as 02h50 e o Nanan só foi tocar as 04h00 da matina. Imagine o quão chapado nós estávamos (!).

Mesmo assim, foi uma festa super divertida para os poucos que ali estavam. Pelo menos, eu me diverti um bocado.

Agora só fico imaginando como foram os outros shows na cidade...

Alguém foi em algum no Sábado e gostaria de tecer alguns comentários?

Sinta-se livre pra falar dos shows de quinta e sexta também, caso tenha ido.

12 comentários:

Rafael Zanatta disse...

Uma dúvida surgiu. Qual foi a banda surpresa no show de sábado?

Michel Gomes disse...

Eu me surpreendi também com o numero de pessoas. Em relação aos pontos citados concordo com os dois primeiros. No terceiro ponto, nós fizemos cartazes e colamos pela cidade a fora e todo o "protocolo" de show independente foi seguido a risca. Acho que é visivel a todos que o natan precisa rever conceitos em relação ao Pub se não cada fez manos publico e bandas vão aparecer por lá.

Mas enfim, a festa foi legal e gostariamos de repeti - la em outro lugar, dessa vez com cachê pra todos nós e um bom publico pra ver os shows que foram ótimos, as três bandas estavam animadas.

O convite esta feito Zanatta, é sempre legal tocar com os amigos!

Abraço :D

Rafael Zanatta disse...

Ah, não sabia dos cartazes! Foi mal, Michel!

Mas é, mesmo assim foi bacana. Vocês estavam super ensaiados, cara! Coisa de louco!

O nosso show que foi um bagaço de zueira!

Michel Gomes disse...

Cara, seu irmão é um ótimo frontman! Sério mesmo. Fico impressionado com a desenvoltura dele em cima do palco. Eu gostei muito do show de vocês. Sério mesmo!

Parabéns!

Igor Favareto disse...

Porra, me diverti pra caramba nessa sexta. Foram 3 showzaços, cada um a seu estilo. Vamo q vamo! Abraço!

Andye Iore disse...

bom, nada de novo nesses problemas. e lamentaveis como sempre.
já abordei varias vezes no blog e vou continuar escrevendo sobre isso. mas acho q a coisa chegou num nivel agora q tem q partir das proprias bandas. todo mundo já sabe o q rola com alguns bares e "produtores".
então, ou tomem mais iniciativa ou as bandas não devem reclamar pela falta de espaço, cache, equipamento, divulgação, do publico.

qto ao Nanan na Zombilly de 5a feira, foi mto divertido e é sempre uma satisfação ter vcs tocando conosco!

sobre a surpresa de sábado, foi uma situação q entrou para a historia do rock independente maringaense: quem viu sabe a cena mágica q foi o Rafael Souza (da AIFJ) tocando banjo em "I saw the light", do Hank Williams, com o Bad Motors, com o bar cheio e todos batendo palmas acompanhando.

mas depois eu vou escrever sobre os shows - Daniel Belleza e Bad Motors - no blog e postar as fotos dos quatro dias de shows da Zombilly, de 5a feira a domingo.

Rafael Zanatta disse...

Caceta, que estaile! Banjo numa do Hakn Williams? Isso sim é country!

Benites disse...

Tá perdoado, brou.
E porra, Nanan é uma loucura! Vai de Jorge Ben pra AC/DC, de AC/DC pra Sublime e de Sublime pra Tim Maia em um pulo! O fim do show foi a coisa mais sincera do mundo...
Pena que pouca gente viu.

lari_benhur disse...

foi uma pena eu ter perdido o show de sexta.. ;/

Rafael Zanatta disse...

O Nanan é sinistro. Esses caiçaras do litoral são tudo bicho-grilo.

Bruno Vicentini disse...

cê não tá entendendo o que foi o banjo, velho. foi demais, não era um simples banjo, era um BANJO, tenor, cinco cordas, bluegrass-style, carinhosamente trazido da inglaterra. cê não tá entendendo!!! essa juventude não tá entendendo nada!!!



foi eu e Gil que começamos com essa merda aqui!!!


:D

Benites disse...

Alí em cima eu tava falando da banda toda, maluco!
Entrosamento maroto é o que rola, com toda aquela ginga e malemolência que já é característica!
Hahahahaha.
E pô, o lance do banjo foi animal mesmo. O fim de semana todo foi maneiro, bicho!

Mais lidos no mês

Mailing E-mancipação