Manhã diferente

Hoje tive uma manhã de sábado fora do comum. A minha manhã de sábado, comum e cretina, significa dormir, curando a ressaca do porre de sexta. Mas ontem eu não saí pra beber, e sim pra comer. Fomos num restaurante oriental (eu e a Pri, comemorando o aniversário de 5 anos jungtos) e nos acabamos com um rodízio de comidas orientais. Foi demais. Como não bebi, acordei hoje 07h00min na casa da Pri. Levei a Pri pro trabalho e fui pra minha casa lá no cafundó do brejo (quem sabe onde eu moro sabe como é longe).

Aquele silêncio de bairro num sábado de manhã. Fiz um chá english breakfast e abri o livro Ficcões, do Jorge Luis Borges, que o Bruno me emprestou. Li uma pancada, talvez umas 02 horas, sentado no sofá da sala. Depois comecei a mexer em outros livros (ou molestá-los, como diz Borges numa passagem) e ler pequenos trechos aleatoriamente. Li até contos de um maringaense, Antonio Roberto de Paula.

Enfim, foi uma manhã silenciosa no mundo físico, mas movimentada (e talvez até barulhenta) na minha mente pela literatura.

3 comentários:

Bruno disse...

os espelhos e a cópula são abomináveis, pois multiplicam o número dos homens. :]

Markovitch disse...

Cara, acompanho seu blog faz um tempão e nunca comentei bicho hahaha.
É um dos unicos blogs "pessoais" (não achei um termo melhor) que já acompanhei.
Sua experiencia em Londres foi muito louca cara, pelo menos por suas palavras aqui no blog.

Ah, aliás, você não deve nem fazer idéia de quem eu seja, AHAH mais já deve ter me visto por aí, porém nunca fomos apresentados, mas de qualquer forma .. parabens pelos posts cara e sucesso junto com o brunin nesta empreitada.

Abraco
Marco (Amigo do Bruninho, Brunão, Caio, ... enfim, essa galera do Marista)

Bruno disse...

pô, curti saber que o marco lê o blog faz tempo! :D

Mais lidos no mês

Mailing E-mancipação