countdown #24

Acordei às 15h00. Isso mesmo, três horas da tarde..dormi igual um pajé (já era quase noite em Londres). Lembrei dos tempos de Maringá, acordar no domingo à tarde depois de um show da Frank The Tank em algum bar. Mas o cansaco que eu estava essa semana nem se compara ao de um show. Aqui o batente é pesado, não é só segurar uma guitarra por uma hora e meia.

Um domingo frio em Londres. Acho que lá fora deveria estar uns 3 graus. Dentro do quarto, o heater fazia a sua parte e deixava o quarto quente o bastante pra ficar tranquilo sem camisa. Sem camisa e sem shorts. Fiquei uma boa parte do tempo assim, namorando a Pri com paixão, enquanto o Vinicius assistia a Race of Champions, lá no Wembley Stadium. Ele saiu cedo de casa, tão cedo que nem o vi.

Fomos pro banho e ficamos conversando debaixo da água quente. Uma das coisas mais gostosas de viver a dois é conversar debaixo do chuveiro. Não tem coisa mais livre, mais natural. Mas deixa pra lá, se você já tomou um banho assim você me entende.

Passei um "café da manhã" umas cinco da tarde. Comemos um pão e voltamos pro quarto. Ligamos o Friends no computador e assistimos uns belos quatro episódios. Ter comprado a box com as 10 temporadas foi um bom negócio. Diversão garantida por muitas horas.

Quando era umas 19h30 o Rodolfo ligou. Ele tava com o Vinícius na rua. Eu fiquei deitado na cama enquanto a Pri falava no celular. Depois de terminada a conversa a Pri virou-se pra mim:
"-Vamos sair? Os meninos querem ir lá no Hyde Park, tá tendo o Winter Wonderland".
Eu pensei: "sair? Agora? Nesse frio?". É difícil eu pensar assim, geralmente eu penso em aproveitar cada segundo dessa cidade e conhecer lugares novos, mas confeco que naquele momento eu pensar em largar tudo e ficar deitado no colchão mesmo.

Sorte que eu sou um sujeito que pensa duas vezes. Três as vezes. Depois de repensar a minha condicão em Londres (menos de um mês restante na cidade), eu respondi que sim. Pra vencer o desânimo e dar uma alegrada, preparei uma dose de Vodka & Orange e coloquei pra tocar no iTunes o álbum do Vampire Weekend (votado como um dos 10 melhores álbuns de 2008). O som é animado. Com a vodka no sangue deu uma agitada, peguei meu casaco russo e saímos de casa, NUM FRIO DO PERU.

Pegamos o ônibus 113. No ônibus liguei pro Renan lá em Caiobá (Renan é meu irmão, caro leitor desavisado). Como foi bom falar com o fera. Fiquei quarenta minutos no celular, deu pra chegar no Winter Wonderland com ele na linha ainda. Conversamos sobre várias coisas, sempre com muitas risadas. É difícil conversar sério com o Renan, e não tem nem porquê de conversar sério com ele. Pra quê gastaria meu tempo com divagacões caretas sendo que a gente pode brincar toda hora, fazer piada de tudo e rir um monte?

Chegamos lá na feira umas 21h15min. Encontramos primeiro o Vini, depois o Rodolfo, a Marília e a Gabriela. A Winter Wonderland tava cheio de gente. Parecia uma Expoingá, sem cowboys e com muito frio e tema natalino. Mas tirando a zoacão, uma feira no mesmo estilo da Expoingá.. barracas de culinária, quentão, cerveja, tiazinha vendendo chocolate, macã do amor, brinquedos de diversão, roda gigante, chapéu mexicano, trem fantasma, montanha-russa, famílias passeando, barraquinhas vendendo artigos de decoracão, canecas grafadas, chapéus, gravatas de madeira, e o melhor: entrada gratuita.

Ficamos lá caminhando, tirando fotos. Até entrei num restaurante alemão que tava rolando música ao vivo. Quer dizer, era um tiozão alemão nos teclados agitando a galera. No meio da brincadeira, o Vini perguntou se eu queria dancar, só pra zuar. Eu falei que tava sóbrio, era difícil. Mas ele insistiu e eu fui. Dancamos igual duas bestas de quadrilha, homem com homem, no meio de um monte de casal. Uma morena até me olhou e fez um sinal de reprovacão, depois me intimou e me convidou pra dancar com ela. Eu só fiz um sinal de "corta meu pescoco" pra Pri, que estava filmando tudo.

Decidimos ir pro Hard Rock Café, só eu, a Pri e o Vini. Nos despedimos e fomos andando até Hyde Park Corner.

Quando estávamos passando por debaixo de uns dos grandes monumentos do Hyde Park Corner, me dei conta de que a bateria da câmera tinha ido pro pau. Falei então pra gente ir outro dia, senão não teria graca ir no Hard Rock e não tirar fotos daquelas belezas de guitarra.

Fomos pra casa e animamos pra tomar um vinho.

Enquanto eu fazia o macarrão bolonhesa, o Vini abriu um vinho chileno, Carmenere, Reserva 2005. Que delícia de vinho. Olha, ter vindo pra Londres me serviu pra muitas coisas e uma delas foi: apreciar bons vinhos. Como no trabalho nós temos que entender os vinhos da casa pra explicar para os clientes, nós desenvolvemos esse gosto por vinhos de diversas qualidades. Esse Carmenere tem um toque de chocolate (sim, acredite!), e um tom um pouco mais azulado, com consistência firme.

Comemos, bebemos, assistimos mais Friends.

O vinho me baqueou rápido, mas com aquele prazer, aquela sensacão gostosa de comer e beber vinho no frio.

Fui dormir 01h da manhã.

Nenhum comentário:

Mais lidos no mês

Mailing E-mancipação