EYE OF THE TIGER

Realmente, tenho que concordar com voce Bruno ("vinho, tigres, as coisas estao melhorando!"). Essa semana foi muito bacana! Na quinta-feira tivemos esse encontro cara-a-cara com a fera e ajudamos o Matthew (senhor que trabalha no London Zoo desde 1959) a alimenta-la. Foi tudo muito rapido, nos chegamos e entramos numa especie de quarto-jaula:
-Put your gloves - ele disse para nos tres.
-For what? - respondi confuso, enquanto colocava uma apertada luva plastica.
-Ginger powder. Nesse momento, ele nos passou um saco com gengibre em po', e ,com a tensao de estar prestes a alimentar um tigre no ar, eu nao sabia direito o que estava fazendo.
Ele virou as costas e disse rapidamente: - Spread in the bushes.
-In the bushes? - perguntei para ganhar alguns segundos enquanto minha cabeca tentar desvendar o que estava a acontecer.
-Go now go.
Olhei para a porta, de onde surgia uma especie de cenario-africano com arbustos, arvores e um belo gramado, e segui em frente, guiando a Priscila e o Vinicius.
De repente, no meio do caminho eu ouvi aquele rugido da MGM, como se estivesse numa sala de cinema com o som pelo menos cinco vezes mais alto que o comum. Cacete de agulha! Minha espinha gelou na hora, e quando virei para tras vi aquele felino gigante andando a menos de dois metros da gente. Tentei me concentrar na informacao "ele esta' preso", mas o medo instintivo foi enorme. Sem brincadeira, o rugido do tigre a poucos metros de distancia e' um dos sons mais assustadores que existem. Pelo para mim foi.
Entramos no gramado e comecamos a espalhar o gengibre nos arbustos. Muitas pessoas se aglomeravam nos vidros, provavelmente cochichando algo como "olha la', vai comecar!". Me senti importante (quem diria, Rafael Zanatta trabalhando no espetaculo do tigre do London Zoo, que beleza!). Depois de alguns arbustos a Pri me cutuca, ainda muito assustada com o rugido do tigre e diz:
-Vamo embora, Rafa. Por favor.
OK. Eu tambem estava ansioso para ver o tigre subir numa arvore de quatro metros de altura e estrassalhar um tolhete de carne. Saimos vazados e agradecemos o Matthew pela oportunidade.
-Thank you, mate. That was crazy!
-Cheers, mate.

Saimos da jaula e assistimos o espetaculo. Em cinco segundos o tigre escalou uma arvore, cravou os dentes na carne (ainda segurando no topo da arvore com as patas), mordeu novamente e saltou la' do alto. Com estilo, levou o pedaco de carne pruma especie de casinha, e ficou la' posando para as fotos. Olhei pra Pri e o pro Vini, ainda assustados:
-Porra, aquele rugido foi sinistro, hein! - comentei.
-Nossa mae.. - respondeu a Pri.
-Cacete de agulha. - disse Vini.

Voltamos para o trabalho e continuamos o nosso dia fingindo que tudo estava normal e nada tinha acontecido.

Nenhum comentário:

Mais lidos no mês

Mailing E-mancipação