APÊ IMUNE DE MULTAS

Ufa!


Era pra ser uma noite solitária. Tava vendo que não ia dar em nada. Mas daí o Braga topou vir aqui e tomar um café.

Nove da noite. Passei um café, comemos um pão com carne e requeijão.

Nove e meia começamos a jogar futebol de botão, pois não tinha nada pra fazer. Inglaterra x Itália. Abrimos umas latas de Skol e Primus que tinha na geladeira. Depois de um tempo o Braga me fala que dia de chuva dá vontade de fumar narguile.

Dez da noite estávamos atrás de um narguile. Sorte que achamos o Homer na net. "Ô velho, me arruma o narguile emprestado". OK. Dez e meia o Homer passou de carro aqui e deixou o narguile. Mas sem fumo, nem carvão.

Na sequência o Braga já liga pro Brunão.
- Onde você tá?
- Em casa, indo pra Lia.
- Então passa num posto e compra carvão e fumo, que eu e o Rafa vamos lá na Lia buscar.

Estávamos sem carro, mas a Lia mora a três quadras de casa.

Voltamos pro jogo. Narguile pronto. Ou quase. E o alumínio? Correria, entra no MSN e nada. De repente liga o Rocha.
- Aê, to aqui no Condor, maninho. To comprando umas beers com a Lari e chegando aí.
- Rocha! Compra alumínio!!!
- Aff, mano.
- Por favor!
- Já paguei, to saindo do mercado.
- Volta lá, cara..quebra essa.

Ok, Onze e meia chega o maninho com lanches, coca, beer, vinho. E o alumínio! O narguile é aceso e a partida recomeça. Tudo com muita cautela, afinal já são quase meia-noite e o som do térreo sobe muito pros apartamentos de cima.

Wayne Hancock e Creedence na vitrola. Tudo calmo. Eu vencendo o Braga no futebol de botão e o Rocha e Lari vendo fotos no computador. Daí liga o Bruninho.
-To indo aí com a Vane. Tamo saindo do Murad.

Meia noite e pouco chega o Bruninho. Mas não só o Bruninho, chega a Vane, o Tiobilla (o Tiobilla, porra!), o Murad, o Zé, mais um veterano que eu esqueci o nome.

Porra, galera breaca. Chegaram meio alucinados de cerveja e piraram quando viram o futebol de botão. Comoção geral.

Meia noite e meia eu e o Braga disputando a partida num 4 x 4 acirrado. E o Murad enxendo o saco:
- Vocês são muito ruim, pelamordedeus. Olha isso.

De fato, somos péssimos jogadores de futeba de botão. O barulho continuava, Vane e Tiobilla iam na sacada fumar. Motivo de preocupação, já deu merda com vizinho pedindo pra parar com a barulhera na sacada. Mas com sorte, não rolou nada.

O vinho Marcus James do Rocha já tava na mão da galera. Tinha um monte de cerveja na geladeira, mas tudo do Odaça. Tive que ficar meio quieto e não oferecer, pois as cervejas eram presentes de natal dos alunos. Ele me mataria se eu distribuísse pra moçada.

Uma da manhã comecei uma partida contra o Murad. Histórica. Todos torcendo por mim. Itália x Inglaterra.

Nos primeiros cinco minutos já tomei dois gols. E disse:
- Três acaba.
- Já fiz dois, hein Zanatta.

Ok, fui na fé. Com a ajuda do Zé e da moçada (ajuda técnica) fiz um. Depois outro. Empate! A galera gritava em plena uma da manhã. Loucura total. Eu não sabia o que fazer. Depois de muita tensão fiz outro e a galera foi ao delírio. Bati o Murad, campeão de futebol de botão.

O Murad indignado, fechou a cara. Bem típico de bêbado, não levou na esportiva não, ficou puto. Toda hora reclamava que ninguém avisou que três gols acabava, mas você acabou de ler o diálogo ali em cima e sabe que era verdade. Três gols e pronto.

Galera se revezando no futebol e eu supervisionando a casa. Eu e o Braga nos olhávamos, pensando: "Se o Odaça chega agora, fudeu geral". Imagina o cara chegar do trabalho uma da manhã e encontrar uma cambada no apartamento pequeno, com narguile aceso com janela fechada e tudo mais. Nossa, ia acabar com a noite.

Mas era mais uma daquelas noites de sorte. Nenhum vizinho reclamando, Odaça provavelmente em algum buteco.

Uma e meia toca o interfone. Que desgraça é tocar o interfone essas horas. O vizinho deve pular da cama.
- Oêêê
- Oêê
- É o Bugila, abre aí.

Mais um pra farra. Meu Deus. O sofá tava abarrotado de gente, vendo DVD do Pink Floyd, PULSE. Na sala, Murad e o veterano jogando. Na sacada, Tiobilla, Bruno e Vane fumando. E eu ali, torcendo pro meu pai não chegar e sempre pedindo pro pessoal falar baixo.

E assim foi até agora. Um por um a galera foi indo embora.

Acabei de limpar a sala, e falta lavar a louça. Ah, e limpar o narguile do Homer. Até agora, nada de Odaça. O buteco deve estar bom.

E lá vou eu, terminar de limpar a casa, agradecer aos céus por nada de errado ter acontecido.

E quem sabe rever um pouco do Virgem de 40 Anos que tá passando no Telecine Emotion.

Mais uma noite sem multas!

Um comentário:

Anônimo disse...

baler website ata?

Mais lidos no mês

Mailing E-mancipação