Página 357, The Godfather

- A complicação toda vem dessa merda que se vê no cinema e nos jornais - afirmou Michael. - Você tem uma idéia errada do meu pai e da Família Corleone. Vou dar a última explicação e esta será realmente a última. Meu pai é um homem de negócios que procura ganhar dinheiro para prover a subsistência da mulher e dos filhos e daqueles amigos de que ele possa precisar algum dia numa hora de dificuldade. Ele não aceita as regras da sociedade em que vivemos porque tais regras o condenariam a uma vida inadequada para um homem como ele, um homem de extraordinária força de caráter. O que você precisa compreender é que ele se considera igual a todos esses grandes homens como presidentes, primeiros-ministros, juízes da Corte Suprema e governadores dos Estados. Ele se recusa a aceitar a vontade deles acima da dele própria. Ele se recusa a viver pelas regras estabelecidas pelos outros, regras que o condenam a uma vida frustrada. Mas o objetivo supremo do meu pai é entrar nessa sociedade com certo poder, já que a sociedade não proteje realmente os seus próprios membros, que não possuem poder individual. Enquanto isso, ele opera com base num código de ética que considera muito superior às estruturas legais da sociedade.

- Mas isso é ridículo - retrucou Kay, incredulamente. - Que aconteceria se todo mundo sentisse a mesma coisa? Como poderia funcionar a sociedade? Voltaríamos aos tempos dos homens das cavernas. Mike, você não acredita no que está dizendo, acredita?

Michael arreganhou os dentes pra ela.
- Estou apenas lhe dizendo em que meu pai acredita. Quero apenas que você compreenda que, seja lá o que ele for, ele não é o responsável, ou pelo menos não na sociedade que ele criou. Meu pai não é um gangster maluco armado de metralhadora como parece que você pensa. Ele é um homem responsável à sua própria moda.

- E em que você acredita? - perguntou Kay calmamente.

Michael deu de ombros.
-Acredito em minha família - respondeu. - Acredito em você e na família que podemos ter. Não confio que a sociedade nos proteja, não tenho a intenção de colocar o meu destino nas mãos de homens cuja única qualificação consiste em procurar convencer um grupo de pessoas a votar neles. Mas isso é por enquanto. A época de meu pai já passou. As coisas que ele fez não podem mais ser feitas, a menos que se corra um grande risco. Quer gostemos disso ou não, a Família Corleone tem de se juntar a essa suja sociedade.

Um comentário:

Babi disse...

Veja bem, não sou nenhum Aurélio, mas dou uma enganada boa!
hahahahaha
Então, tem que combinar.. tem alguma imagem que vc queira? modelo? jeito? barara..
Só não me peça coisas em flash não, ein. Uma janelinha pop-up até sai, mas lembre-se: o básico do básico, ok?
;**

Mais lidos no mês

Mailing E-mancipação